Asia Hyderabad India

AN INDIAN WEDDING IN HYDERABAD, INDIA

DISCLAIMER: Ready yourself before visiting India! The faint of heart can find this experience a bit daunting. You will see the extreme in its many forms. But its genuine people and lifestyle will make you want to go back. 😉

NOTA INTRODUTÓRIA: Prepare-se bem antes de visitar a Índia! Pode achar esta experiência um pouco assustadora. Presenciará situações extremas. Mas certamente quererá voltar pelas pessoas e pelo estilo de vida genuíno. 😉

Last October my husband and I went to a wedding in India (on the way there, we decided to make a stopover in Dubai, which I reported here and here).
Today’s post was to be about all the cities that I had planned to visit besides Hyderabad: Agra, Jaipur, Delhi, Calcutta. Unfortunately this will not be the case.
We were planning to visit India again this last March, because of another wedding to which we were invited. But back then we already had the clear perception that the SARS-CoV-2 pandemic (which was yet to be declared one by the Word Health Organization) was too serious to be taken lightly. We made the decision of not promoting travelling, and we were consistent with this by enforcing ourselves to practice social distancing. We cancelled all our travels. We couldn’t make it to the wedding nor to the rest of India that we intended to discover. Hopefully one day we will visit it again.

For this reason, today’s post will be about our first trip to India, Hyderabad in particular. Hyderabad is the capital of the state of Telangana, in South India. It was ruled by the Qutub Shahis, Mughals, and the Nizams. Hyderabad is known as The City of Pearls, because it was the trade center of large diamonds, emeralds, and natural pearls.

No passado mês de outubro, eu e o meu marido fomos a um casamento na Índia (na ida decidimos fazer uma paragem no Dubai, que relatei aqui e aqui).
O post de hoje deveria compreender as seguintes cidades: Agra, Jaipur, Delhi, Calcutá, para além de Hyderabad. Infelizmente, este não será o caso.
Planeávamos visitar a Índia, novamente, no passado mês de março, para outro casamento, desta vez em Calcutá. Na altura tivemos a clara percepção de que a pandemia (que ainda não tinha sido declarada pela Organização Mundial de Saúde) SARS-CoV-2 era demasiado séria para ser tomada de ânimo leve. Tomamos a decisão de não promover viagens, e fomos consistentes com isso, e forçamo-nos a praticar o distanciamento social. Cancelamos todas as nossas viagens. Não conseguimos ir ao casamento na Índia, nem descobir os locais que planeávamos explorar. Espero poder voltar à Índia brevemente.

Por esse motivo, o post de hoje é sobre a nossa primeira viagem à Índia, em concreto Hyderabad. Hyderabad é a capital do estado de Telangana, no sul da Índia. Foi governada pela dinastia Qutub Shahi, o império Mogol e Nizams. Hyderabad é conhecida como A Cidade das Pérolas, porque foi o centro comercial de grandes diamantes, esmeraldas e pérolas.


VISA

Before going to India, you will need to apply for an e-Tourist VISA online here! If you have a Japanese, South Korean, and UAE  passport you will get your visa on arrival.
When applying to the online VISA, you will have to choose between a single entry (up to maximum of 30 days) or multiple entries (where each stay lasts no longer than 90 days) with a 1 year validity. We chose the second option, since we were planning to go back 5 months later (in March 2020).
During the process, you will be asked to upload a copy of your passport, to fill your personal information, and declare the main reason for your travel to India (meeting friend/relatives, tourism, etc). If you select “meeting friend”, you will have to give his/her name and contact.
The price for a e-tourist Visa is around 23€/$25 for single or 37€/$40 for multiple entries.
I received my e-tourist Visa by email one day after having applied. 😉

Antes de visitar a Índia, precisa de tirar um visto de turista electrónico (e-Tourist Visa) aqui!
Ao fazer a sua candidatura para o pedido de visto online, terá que escolher entre uma entrada (com uma estadia máxima de 30 dias) ou várias entradas (onde cada estadia não pode durar mais que 90 dias) com 1 ano de validade. Escolhemos a segunda opção, pois planeávamos voltar cinco meses depois (em março de 2020).
Durante o processo, terá que fazer o upload de uma cópia do seu passaporte, dar as suas informações pessoais e declarar o principal motivo da sua viagem à Índia (visitar amigos / parentes, turismo, etc.). Se selecionar “visitar amigo”, vai precisar de fornecer o nome e o contato do seu amigo.
O preço de um visto de turista electrónico é de cerca de 23 € / $ 25 para uma entrada ou 37 € / $ 40 para múltiplas entradas.
Recebi o meu visto por e-mail um dia depois de o ter pedido. 😉


HEALTH

This is very important. You will need to make sure that you have a valid vaccine active for the following diseases: Hepatitis B, Hepatitis A, Typhoid fever, Diphtheria, Polio and Tetanus. Your travel doctor might also recommend you to take some additional vaccines depending on the places you will be visiting, namely against cholera, yellow fever, Japanese encephalitis, and rabies. Antimalarial tablets are not usually recommended; however, they can be considered for certain travelers who may be at even higher risk.
Things can be pretty dirty there, so at all costs avoid tap water, beverages with ice, and uncooked or cold food. Wash your hands before eating (or as a last resource, use an antiseptic gel).
Bring a mosquito repellent since it’s not unusual for dengue and malaria cases to be reported by the tourist community, and apply it several times a day when you are outside. Make it easy on yourself, and use long sleeves, long pants, and sneakers. They usually bit me on my ankles, wrists, hands and feet when they were exposed and unprotected. 😦 I normally used a natural repellent bracelet in one of my ankles to further fortify my protection. Remember to wash your hands after handling repellents, and to avoid using large amounts of it when in closed spaces.
Last but not least, don’t forget to do a travel insurance before going.

Isto é muito importante. Precisa de ter as vacinas activas para as seguintes doenças: Hepatite B, Hepatite A, febre tifóide, difteria, poliomielite e tétano. O seu médico da consulta do viajante também poderá recomendar algumas vacinas adicionais, dependendo dos lugares que visitar, nomeadamente contra a cólera, febre amarela, encefalite japonesa e raiva. Comprimidos antimalária geralmente não são recomendados; no entanto, podem ser considerados para determinados viajantes dependendo do local de risco.
Evite água da torneira, bebidas com gelo e alimentos crus ou frios. Lave as mãos antes de comer (ou, em último recurso, use um gel anti-séptico).
Leve um repelente de mosquitos, pois casos de dengue e malária não são incomuns, e aplique-o várias vezes ao dia quando estiver na rua. Facilite e use mangas compridas, calças e sapatilhas. Geralmente, os mosquitos mordem-me nos tornozelos, pulsos, mãos e pés quando expostos e desprotegidos. 😦 Normalmente uso uma pulseira de um repelente natural num dos tornozelos, para reforçar a minha proteção. Lembre-se de lavar as mãos depois de manusear os repelentes e evite o uso de grandes quantidades em espaços fechados.
Por último, mas super importante, faça um seguro de viagem antes de viajar para a Índia. Clique aqui para obter 5% de desconto num seguro de viagem Iati. (Com a Iati não necessita adiantar dinheiro se tiver a infelicidade de ativar o seguro em viagem. O que é fantástico!).


CURRENCY ()

It will be hard to exchange your currency to Indian rupees, ₹, in your home country. My advice is to withdraw some money from an ATM once you arrive at the airport. And you will see a lot of ATMs around the city.
Although in some shops and in your hotel you can pay with your credit card, I recommend you to have some hard currency with you at all times. Sometimes your internet connection might fail you and you won’t be able to call a uber. In these cases, you will need that hard currency to take a local tuk-tuk or taxi.

Será difícil trocar a sua moeda por rúpias indianas, ₹, no seu país. O meu conselho é levantar dinheiro numa caixa multibanca assim que chegar ao aeroporto. Há muitas ATMs na cidade.
Embora em algumas lojas e no seu hotel possa pagar com o cartão de crédito, eu recomendo-o a ter sempre algum dinheiro à mão. Às vezes, a sua conexão à Internet pode falhar e não poderá chamar um uber. Nesses casos, precisará de pagar em monetário a um tuk-tuk ou a um táxi local.


TELECOMMUNICATIONS

Once in India, the first thing you absolutely must do is to buy a Vodafone Card at the airport. This is extremely important. Without it, you will be quite vulnerable, since you won’t have any roaming service active. You will need a passport and a photo of yourself (most of the times, the employees just take a photo of you with their phone).
You will pay around 3.5€ for a one month prepaid SIM card with unlimited calls and 1.5 Gb of data.

Uma vez na Índia, a primeira coisa que deve fazer é comprar um cartão da Vodafone no aeroporto. Isto é extremamente importante. Sem ele, estará bastante vulnerável, pois não terá nenhum serviço de roaming ativo. Precisará de apresentar o seu passaporte e uma foto sua (na maioria das vezes, os funcionários tiram uma foto sua com o telemóvel).
Pagará cerca de 3,5 € / $ 3.85 por um cartão SIM pré-pago, com chamadas ilimitadas e 1,5 Gb de dados durante 1 mês.


TRANSPORTATION

Now that you have your SIM card activated, call a uber to drive you to the hotel.
Our main means of transportation in India were uber cars, hotel private taxis, and tuk-tuks. As you might imagine, tuk-tuk was by far the cheapest option, although we felt it to be a little unsafe (let’s say that they also expose you to the… less clean aspects of India). Tuk-tuk in Thailand, under my point of view, is a safe option; in India, it might be a tad riskier. The traffic is chaotic and you face lot of smells (and dirt) during your trip. In comparison, uber is not expensive and can be a great and comfortable solution. If you have to spend the whole day outside of your hotel and you need to move around frequently, I strongly recommend you to book a private taxi in your hotel.

Agora com o seu cartão SIM activo, chame um uber para levá-lo para o hotel.
O nosso principal meio de transporte na Índia foram os carros uber, táxis particulares do hotel e tuk-tuks. Como pode imaginar, o tuk-tuk era de longe a opção mais barata, apesar de acharmos um pouco inseguro. O tuk-tuk na Tailândia, sob o meu ponto de vista, é uma opção segura; na Índia, pode ser um pouco mais arriscado. O tráfego é caótico e enfrentará muitos cheiros (e sujidade) durante a sua viagem. O uber não é caro e pode ser uma solução ótima e confortável. Se precisar de passar o dia inteiro fora do hotel e necessitar de se deslocar com frequência, recomendo-o que reserve um táxi particular no hotel.


HOTEL

In India, even small distances might take a lot of time to reach by car.
For this reason, we chose to stay in a modern area, the Financial District, closeby the Wedding venue. We opted for the Oakwood Residence Kapil Hyderabad, a 5 star apart-hotel, with a great value. We paid around 50€ per night with breakfast. You can find cheaper options (with lower quality too), but we always opt for a minimum of sleep quality and comfort during our travels. 🙂
But take in account that you are in India. A 5-starred hotel will still be vulnerable to some annoying aspects of life there, such as the maddening, unstoppable honking of cars and motorbikes. 😀

Na Índia, até pequenas distâncias de carro podem demorar muito tempo.
Por esse motivo, optamos por ficar numa área moderna, no Distrito Financeiro, próximo do local do casamento. Optamos pelo Oakwood Residence Kapil Hyderabad, um aparthotel de 5 estrelas, com uma ótima relação qualidade-preço. Pagamos cerca de 50 € por noite, com pequeno-almoço incluído. Pode encontrar opções mais baratas (com qualidade inferior também). Contudo, nas nossas viagens, preferimos optar sempre por um mínimo de qualidade e conforto durante o nosso sono. 🙂
Mas leve em conta que está na Índia. Um hotel de cinco estrelas ainda estará vulnerável a alguns aspectos irritantes da vida, como as buzinas enlouquecedoras e imparáveis de carros e motos. 😀


FOOD

One of the most popular dishes of the city is the “Chicken Biryani”. The Biryani is a mixed rice dish with its origins among Indian muslims. We ate it on our first day in the food chain Paradise Biryani.
The follow up meals we had them at the hotel and at the wedding venue . You can take a look at the food further ahead in the post. 🙂

Um dos pratos mais populares da cidade é o “Frango Biryani”. O Biryani é um prato de arroz com origem na comunidade indiana muçulmana. Experimentamos no nosso primeiro dia na cadeia alimentar Paradise Biryani.
As seguinte refeições foram no hotel e no local do casamento (serão mostradas posteriormente 🙂 ).


SAREE

Once in India, we reserved our first day for shopping. We were there for a wedding, so we had to take appropriate clothing. I bought my Saree at Nalli Shop, in this location. A sari, saree, or shari, is the traditional Indian women’s garment. It is a long cloth that you curl around you body; and there are different ways of curling it.
The first thing they will ask you once you arrive at the shop is ‘what is your budget?’. If you have a low budget, you can buy a 25€ saree. For higher budgets you can choose a better silk saree (which can easily go up to 1500€). The price depends of the material (linen, cotton, the type of the silk, etc). I wanted a silk saree within a 200 € budget. Also, remember that you are a guest and not the bride/groom; be mindful of that when choosing your garment. 😉 I bought a ~7 meter-long silk saree for around 180€.
It is absolutely important for you to either bring a skirt from home or to buy a proper tutu skirt to dress underneath the saree. You will need it with some pins to fasten the saree around your waist.
For dressing up, there are numerous ways of using the saree, some easier than others. I could have watched a youtube tutorial on how to dress it up, but I decided to ask for help in the hotel (thank you again Oakwood Residence Kapil Hyderabad). The result was amazing, and the experience was a hell lot of fun. 😀
We bought my top and my husband’s clothes at a known retailer close by the Nalli shop.

Uma vez na Índia, reservamos o nosso primeiro dia para fazer compras. Estávamos lá para um casamento e precisávamos de um outfit adequado. Comprei o meu Saree na Nalli Shop, aqui. Um sari, saree ou shari é a roupa tradicional indiana usada pelas mulheres. É um longo pano que se enrola em torno do corpo; e existem diferentes maneiras de enrolá-lo.
A primeira coisa que lhe perguntam quando chega à loja é ‘qual é o seu orçamento?’. Se tem um orçamento baixo, pode comprar um sari de 25 €. Para orçamentos mais altos, pode escolher um saree de seda superior (que pode facilmente subir até 1500 €). O preço depende do material (linho, algodão, tipo de seda, etc). Eu queria um saree de seda e o meu orçamento máximo era de 200 €. Lembre-se que também é um convidado e não a noiva / noivo; tenha isso em mente ao escolher a sua roupa. 😉 Comprei um saree de seda com cerca de 7 metros de comprimento por cerca de 180 €.
É absolutamente importante que traga uma saia de casa ou compre uma saia de tule adequada para vestir sob o saree. Precisará dela, com alguns alfinetes de segurança para prender o saree na cintura.
Para se vestir, existem várias maneiras de usar o saree, algumas mais fáceis que outras. Poderia ter assistido a um tutorial do youtube sobre como colocá-lo, mas decidi pedir auxílio no hotel. O resultado foi incrível, e a experiência foi muito divertida. 😀
Compramos a minha blusa e a roupa do meu marido numa loja conhecida perto da loja Nalli.

Follow me over Instagram to catch up with my adventures.


THE WEDDING

Indian weddings differ from region to region, and even within the same region they can be less or more formal. Based on the region and type of wedding, the ceremony and the duration may differ. In our case, it was a very formal, conservative ceremony.
On the first days of the wedding celebration, the bride, her family, and close friends performed some rituals. We were guests from the side of the bride, so we arrived one day before the union day, when the bride is finally “given” to the groom’s family. We were present when the bride was formally introduced to the groom’s family. That very same day, the celebrations lasted until midnight.
A couple of hours later, at 6 AM, the marriage celebration re-started. We had to wait for 6 hours of rituals before we could clap of joy for their union. We attended the rituals from close by, and after their union, we went on to give them a gift. Afterwards came lunch time, while the bride and groom were left undergoing some additionally rituals. This marked the end of the marriage ceremonies for the bride guests.
A couple of days afterwards, the celebration carried on on the groom’s hometown, now that the bride had been officially transferred between families. We were not there to see it, as the guests were now from the groom’s side. This also means that along the celebrations different people will be attending the events. The important part is to attend the union itself. 😉
During these two days we enjoyed savory vegetarian meals. The family members of the bride are vegetarians, as is usual in the south of India, and we ate it in the traditional way, with our hands, and using large green leafs to support the food. They also served an amazing Masala chai all around the event (a spiced tea blend that includes black tea mixed with cinnamon, cardamom, cloves, ginger, and black pepper). 😛
I will share some photos, respecting the privacy of the bride, groom and their guests. Enjoy! 😉

Os casamentos indianos diferem de região para região e, mesmo dentro da mesma região, podem ser mais ou menos formais. Com base na região e no tipo de casamento, a cerimónia e a sua duração diferem. Neste caso, presenciamos uma cerimónia muito formal e conservadora.
Nos primeiros dias da celebração do casamento, a noiva, a sua família e os seus amigos íntimos realizaram alguns rituais. Como éramos convidados do lado da noiva, chegamos um dia antes do dia da união. Neste dia a noiva é apresentada e “dada” à família do noivo. Nesse mesmo dia, as celebrações duraram até a meia-noite.
Algumas horas depois, às 6 horas da manhã, a celebração do casamento recomeçou. Tivemos que esperar 6 horas de rituais antes de podermos aplaudir a sua união. Após a sua união, fomos ao palco dar-lhes o nosso presente. Depois, almoçamos, enquanto os noivos estavam submetidos a alguns rituais adicionais. Isto marcou o fim das cerimónias para os convidados da noiva.
Alguns dias depois, a festa continuou na cidade natal do noivo, agora que a noiva havia sido oficialmente transferida entre as famílias. Nós não presenciamos esta parte, pois os convidados que compareceram eram do lado do noivo. Isto também significa que, ao longo das celebrações, diferentes pessoas estão presentes nos diferentes eventos.
Durante estes dois dias, desfrutamos de saborosas refeições vegetarianas. Os membros da família da noiva são vegetarianos, algo habitual no sul da Índia, e comemos da maneira tradicional, com as mãos, e usando grandes folhas para sustentar a comida. Também serviram um incrível Masala chai (um chá preto com especiarias que inclui canela, cardamomo, cravinho, gengibre e pimenta preta) durante todo o evento. 😛
Partilho algumas fotos, mas sempre respeitando a privacidade da noiva, do noivo e dos seus convidados. 😉


SIGHTS

There are some must see places in Hyderabad, but we just had a one full free day for sightseeing. For this reason, we chose to visit the following landmarks:

Hyderabad tem lugares imperdíveis, mas infelizmente só tivemos um dia livre para a explorar. Por esse motivo, optamos por visitar os seguintes locais:

  • Charminar

The structure was built in 1591 and is one of the most famous buildings in India. It was built by Muhammad Quli Qutb Shahi to celebrate the end of a deadly plague.
At night, with all the lights and all the people from the markets, it is definitely worth the visit.

A estrutura foi construída em 1591 e é um dos edifícios mais famosos da Índia. Foi construído por Muhammad Quli Qutb Shahi para comemorar o fim de uma praga.
Visite Charminar à noite. As luzes e as pessoas do mercado enriquecem o espaço.

  • Qutb Shahi tombs

Built by the Qutub Shahis, these tombs are considered to be among the oldest historical monuments of Hyderabad, with 40 mausoleums, 23 mosques, a hammam and several pavilions. Seven of the eight Qutb Shahi rulers were buried here under domes mounted on cubical bases. Among the finest is the Muhammad Quli Qutb Shah’s Tomb, the founder of Hyderabad, standing 42m tall.
I really enjoyed visiting it. Sadly it is not very well conserved, although they are now under rehabilitation works.
You can pay a guide for a more immersive exploration.
Open Hours: All Days 9:30 AM to 4:30 PM
Price: Indian ₹15/foreigner ₹100 per person, each camera or smartphone Indian ₹50/foreigner ₹100

Construídas pelos Qutub Shahis, os túmulos Qutub Shahis, são considerados uns dos monumentos históricos mais antigos de Hyderabad, com 40 mausoléus, 23 mesquitas, um hammam e vários pavilhões. Sete dos oito governantes de Qutb Shahi foram enterrados aqui, em cúpulas montadas em bases cúbicas. Entre os melhores está o túmulo de Mohammed Quli, o fundador de Hyderabad, com 42m de altura.
Eu gostei bastante de visitar este local. Infelizmente, não se encontra muito bem conservado, embora estejam a decorrer obras de reabilitação.
Pode pagar a um guia para uma exploração mais imersiva.
Horário: Todos os dias das 9:30 às 16:30h
Preço: Indiano ₹ 15 / estrangeiro ₹ 100. Uso da câmera ou do smartphone: Indiano ₹ 50 / estrangeiro ₹ 100

  • Golkonda fort

In the 16th century the Qutb Shahs made Golconda a fortified citadel. Because of the diamond mines, Golconda was a large trade center.
We planned to visit it after the Tombs, since it was relatively nearby, but the visit to the tombs took us longer than we expected, and later we decided to go back to the hotel for lunch. Back to the hotel, we took some time to relax a bit before visiting Charminar.
Don’t forget that each small trip in India can take you a lot of time!
Hours: 9am-5.30pm. English-language sound-and-light show: 6.30pm Nov-Feb, 7pm Mar-Oct
Price: Indian ₹20/foreigner ₹200, 1h sound-and-light show ₹140

No século XVI, os Qutb Shahs construíram a Golconda, uma cidadela fortificada. Por causa das minas de diamantes, Golconda era um grande centro comercial.
Planeávamos visitá-la depois dos túmulos, já que se localiza relativamente perto. Mas a visita aos túmulos demorou mais tempo do que estavamos à espera, e de seguida regressamos ao hotel para almoçar. De volta ao hotel, relaxamos e ao fim do dia visitámos Charminar.
Não se esqueça que cada pequena viagem na Índia pode levar muito tempo!
Horário: 9:00 às 17:30h. Programa de som e luz em inglês: 18h30 de novembro a fevereiro, 19h de março a outubro
Preço: Indiano ₹ 20 / estrangeiro ₹ 200, 1h show de luz e som ₹ 140

This trip was full of emotions. I would like to visit India again in the near future. 🙂

Esta viagem foi cheia de emoções. Adoraría voltar à Índia num futuro próximo. 🙂


Carina visited Hyderabad, India, in October 2019, and this is just her opinion.
Carina visitou o Hyderabad, Índia, em Outubro de 2019, e esta é, apenas, a sua opinião.

Leave a comment | Deixe o seu comentário

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: